Marinha escolta navio russo para fora das águas portuguesas

Дата публікації Перегляди: 6651

Uma corveta da marinha portuguesa escoltou esta madrugada um navio russo para fora da Zona Económica Exclusiva, confirmou o ministro da Defesa ao Observador. É o terceiro incidente numa semana.

O ministro da Defesa Aguiar Branco acaba de confirmar que uma corveta da marinha portuguesa escoltou durante esta noite um navio hidrográfico russo para fora da Zona Económica Exclusiva. O navio estava em águas internacionais mas dentro da Zona Económica Exclusiva, tendo sido intercetado pela corveta Jacinto Cândido que saiu de Faro e que escoltou o navio para fora da ZEE pela zona norte de Portugal. A missão demorou a noite inteira e só terminou já de madrugada, perto das 05h30 da manhã.

O ministro da Defesa confirmou a informação a partir da Lituânia, onde visitou as forças portuguesas aí destacadas: “Esta missão mostrou a prontidão da marinha portuguesa”, confirmou Aguiar Branco, no terceiro incidente com meios militares russos em Portugal numa semana. Já o Chefe do Estado Maior das Forças Armadas preferiu reforçar “a importância da cooperação internacional” neste caso. Fonte da Marinha disse ao Observador que a presença de navios russos naquela área “não é normal acontecer”.

Os Estados têm apenas soberania plena sobre o Mar Territorial (12 milhas da costa), possuindo unicamente direitos sobre a exploração dos recursos naturais, preservação do meio marinho, investigação cientifica e instalação de ilhas artificiais na Zona Económica Exclusiva. Assim, apesar de não haver nenhuma proibição de navios russos ou de qualquer outra nacionalidade em águas internacionais – ou seja, não se pode negar a nenhum navio o direito de passagem inocente -, segundo o direito internacional do mar, não pode haver qualquer tipo de pesquisa hidrográfica em Zonas Económicas Exclusivas alheias, facto que alertou a marinha portuguesa, especialmente por se tratar de um navio hidrográfico.

Apesar de a NATO ter alertado para a intromissão de navios e aviões russos nos mares territoriais e espaços aéreos dos seus Estados-membros, a Marinha portuguesa afirma que a sua monitorização continua igual. “Portugal tem um bom sistema de vigilância e uma monitorização muito ampla”, disse o comandante Santos Fernandes, porta-voz da Marinha ao Observador.

Observador

{module mod_knopka_comments}

 

Статистика
Перегляди статей
9253179
Лічильник

Українська рейтингова система