Ucranianos por conta própria, a dar trabalho a portugueses

Категорія: Португалія
Створено: 28 травня 2022 Дата публікації Перегляди: 260

43679264 BINARY GI13052022 PAULO SPRANGER312712 copiarMykola tem uma oficina de autocaravanas em Alcabideche. Oleg ergueu um laboratório dentário no Porto. Iryna é dona de uma pastelaria, que também serve refeições, em Lisboa. Oksana é sócia de uma mediadora imobiliária em Coimbra. Da Ucrânia para Portugal, à procura de vidas mais seguras. Chegaram em 2000, trabalharam no que apareceu, agora gerem os seus negócios nesta ponta da Europa. De pedra e cal.

O plano era trabalhar um ano, dois no máximo, ganhar dinheiro, voltar para a Ucrânia, comprar um carro. O tempo passou e Mykola Shymonyak ficou em Portugal. Chegou em 2000, final de outubro, 24 anos, acabadinhos de fazer, o seu cunhado estava cá, na Parede. Fez as malas, saiu do seu país, veio ver o que poderia acontecer. “Estava um bocado farto e não tinha perspetiva”, recorda.

43679264 BINARY GI13052022 PAULO SPRANGER312712 copiar

Hoje é dono da MCamper, oficina especializada em caravanas e autocaravanas, arranja tudo, faz tudo, transforma qualquer veículo a pedido do cliente, na Estrada de Manique, Manique de Baixo, Alcabideche. Antes de arregaçar as mangas, faz um rascunho do projeto. Autocaravanas para surfistas, barbeiros, gente do cinema, tudo e mais alguma coisa. “É um trabalho bastante criativo, o cliente chega cá e damos ideias. Desenho tudo à mão e bate tudo certo”, conta. É um negócio pequeno, dá trabalho a um ucraniano e a uma portuguesa. Antes disso, trabalhou sozinho durante dez anos.

Oleg Blashkiv é dono de um laboratório dentário que instalou num centro comercial do Porto com gabinetes cheios de luz natural, vista para um jardim simpático nas traseiras – espaço que desbravou ao cortar silvas e deixou plantas e árvores a crescer à vontade -, para o casario antigo portuense, por uma nesga quase se vê o Douro. O negócio teve o seu nome, há dois anos alterou-o para Kodm Dental Labs. Tem dez funcionários, a maioria portugueses e há pouco mais de um mês deu trabalho a um compatriota, refugiado ucraniano. Deixou Lviv, a sua cidade, em setembro de 2000. Tinha 20 anos, partiu à aventura com três amigos, burocracia medonha com o passaporte para sair da Ucrânia. Queria sair de casa, conhecer outros países, o Campeonato Europeu de futebol em 2004 apresentava Portugal como país de oportunidade e de empregos. Oleg já era técnico de prótese dentária, mas o trabalho na Ucrânia estava difícil. “A ideia era chegar, ficar um ou dois anos, e voltar. A vida começou a correr de uma forma que acabei por ficar.

Três meses em Lisboa, depois o Porto. No início, não foi fácil, falar outra língua, era complicado arranjar trabalho, esteve três anos nas obras, ao mesmo tempo que tratava da papelada para poder exercer a sua arte em Portugal. “Foi um processo muito demorado na altura, mas consegui.” Oleg andava com um dicionário e um livrinho para apontar palavras e queria saber depressa. As oportunidades surgiram, emprego num laboratório dentário, depois numa clínica como responsável de laboratório, depois um novo espaço como sócio-gerente. Em 2015, abriu o seu laboratório dentário. O pai sempre lhe disse que era isso que tinha de ser, que era bom na sua área, por mais voltas que desse. Dois anos depois de chegar, os três amigos voltaram para a Ucrânia, Oleg ficou. “O Porto é muito acolhedor e comecei a construir a minha vida aqui.”

Iryna Grechanyuk, 44 anos, também chegou a Portugal em 2000. Primeiro veio o marido, depois ela, dois anos depois a filha então com 14 anos. Trabalhou como empregada doméstica, o marido nas obras até passar para técnico do Ambiente na construção civil. Vieram com a ideia de voltar à Ucrânia. A filha adaptou-se bem, começou a estudar, gostou do país. Há cinco anos que a família gere a Pastelaria Colmeia, a quarta gerência do espaço antigo e com história, aberto em 1954, na Estrada de Benfica, em Lisboa. Iryna, o marido, a filha e o genro juntos no mesmo negócio, mais seis funcionários de várias nacionalidades, portugueses também. Trabalho não falta, a pastelaria está sempre aberta, das seis e meia da manhã às dez da noite, não fecha nenhum dia, faz refeições ao almoço com vários menus com prato, salada, bebida e café, tem serviço take-away que fidelizou clientela durante a pandemia. “Começámos a fazer entregas e ganhámos muitos clientes”, revela.

“A comida é muito boa, fomos os primeiros na Estrada de Benfica a fazer pratos vegetarianos.” Iryna gosta da freguesia, que é grande, o bairro tem bastante movimento, muitos prédios, muita gente. “Temos sempre casa cheia na hora de almoço e fazemos muitas entregas.” O ambiente é familiar. Pastelaria de esquina com montra para a rua, esplanada grande, sala no piso de baixo com 15 mesas. Mesmo sem fabrico próprio, fazem-se doces, cheesecakes e pudins, o bolo de maçã com canela tem fama e muita saída. Iryna não tem mãos a medir, faz de tudo um pouco, vai às compras, está ao balcão, na caixa, nas mesas. Está onde é preciso estar. “Gosto muito de fazer sobremesas”, confessa Iryna, licenciada em Engenharia Química, chegou a trabalhar num laboratório de uma fábrica de vinhos no seu país.

43716123 BINARY GI1752022REINALDORODRIGUES3255 copiar 768x512
Iryna tem o curso de Engenharia Química, gere uma pastelaria em Benfica e comprou um restaurante na Amadora. Está em Portugal há 22 anos
(Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

 

Oksana Sitor Zakharuk e o marido decidiram mudar-se para o país na ponta mais ocidental da Europa e escolheram Coimbra na viragem do século, em 2000. Pesquisaram a cidade, leram muito sobre ela, o marido é licenciado em História, partiram de Vihnytsya, a 290 quilómetros de Kiev, com o filho de cinco anos. À procura de uma vida melhor, a contornar a crise social, económica, humanitária que, nessa altura, sufocava a Ucrânia. “Saímos para procurar uma vida de futuro para o nosso filho.”

Oksana, 47 anos, é sócia de uma mediadora imobiliária com loja de 400 metros quadrados, em Coimbra, com 60 comerciais no momento e que quer chegar aos cem. Tem 15 anos de experiência na área de consultoria imobiliária, faz de tudo, vende casas, faz negócios, trata de créditos. “A empresa é o meu bebé e adoro o meu trabalho.” Mas a guerra na Ucrânia desassossegou-a de tal forma que fundou a Golden Trident Associação para ajudar e apoiar ucranianos e não só, gente que precisa, a vários níveis, de legalização, bens essenciais. Temporariamente, o trabalho na mediadora não lhe ocupa os dias. Em casa, tem uma mãe com três crianças e uma mãe com um bebé, todos ucranianos, a quem deu abrigo por causa da guerra.

Abrir é fácil, gerir é mais complexo
Oksana, licenciada e doutorada em Microeletrónica, gosta de sair da zona de conforto. Sair da Ucrânia foi isso também. Porquê Portugal? “É o mais longe, o último país da Europa, pequeno, confortável, seguro. A população é mais quente, mais humana do que outros países europeus. Fomos muito bem recebidos”, relata. “Mais do que Portugal, a nossa escolha foi mesmo Coimbra. Coimbra é uma cidade extraordinária, uma cidade muito confortável”, acrescenta. O processo de legalização foi fácil. E Oksana chegou com vontade. “Agarrei tudo, não tinha vergonha de trabalhar, fiz tudo.” Trabalhou em cafés e lojas, fez limpezas em casa de uma professora em troca de aulas de português. Disseram-lhe, entretanto, que teria jeito para vender casas, entrou na mediação imobiliária e nunca mais largou o setor.

Mykola, 43 anos, também não tem mãos a medir. Filho e neto de carpinteiros, aprendeu a arte de bate-chapa e de pintura com um vizinho com quem trabalhou três anos no seu país. “Uma autocaravana tem tudo o que se possa imaginar, três tipos de frigorífico, aquecimentos nem se fala, tenho de perceber de tudo.” E percebe. Tem um curso superior de Eletricidade feito na Ucrânia, já depois de estar em Portugal, tirou o curso de Engenharia de Computação também na Ucrânia, onde ia fazer provas algumas vezes por ano. O primeiro trabalho em Portugal foi precisamente numa oficina de automóveis. Condições mais ou menos, salário mais ou menos, preferiu ter menos, mas certinho ao final do mês. Afonso, um mecânico da Venezuela, ensinou-o a falar português em seis meses. Aí conheceu a irmã do seu futuro patrão, oito meses depois, estava numa empresa de aluguer de autocaravanas para os lados da Parede. Deram-lhe um livro com as anomalias de 18 autocaravanas e o que era preciso reparar. Tratou de tudo numa manhã e o patrão ficou admirado. “Só não ficaram prontas as que não tinham material próprio.”

No final de 2008, Mykola avançou por conta própria. A burocracia no negócio não é complicada, empresa na hora, podia haver mais apoios, sim, há mais deveres do que favores, sim, mas desde que esteja tudo programado, tudo bem feito, não há complicações de maior. Este é o seu raciocínio. Dizem-lhe que nasceu com o rabo virado para a Lua. Mykola sorri, aceita e concorda. Fala cinco línguas, casado com uma ucraniana, tem um filho de nove anos.

O plano de abrir um negócio por conta própria esteve sempre nos horizontes do casal. Iryna explica. “Abrimos um café muito pequeno para experimentar, para aprendermos a trabalhar neste ramo.” Foram três anos num bairro em São Domingos de Benfica. Muito trabalho e correu bem. “Ganhámos clientes, mas o espaço era muito pequeno, queríamos ter mais gente e mais movimento. Decidimos vender o café e procurar um outro maior”, recorda. Encontraram a Pastelaria Colmeia em trespasse, agarraram a oportunidade, mantiveram-lhe o nome. Não houve impasses na abertura do negócio, ainda com a surpresa das isenções do primeiro ano de atividade. Trataram da papelada, da contabilidade organizada. Entretanto, compraram um restaurante com cem metros quadrados na Amadora. Vão fazer obras e talvez abrir no próximo outono com comida tradicional portuguesa, petiscos, pratos vegetarianos. Neste momento, e com tudo o que se passa na Ucrânia, não há cabeça para pensar nisso, para investir num outro espaço que precisa de remodelações e empregados. Avançará quando tiver de avançar.

Oleg cresceu profissionalmente, é reconhecido e respeitado na sua área. “Abre-se uma empresa com muita facilidade. Abrir não é o problema, gerir consome muito de mim”, admite. Fazer próteses, supervisionar o trabalho da equipa, falar com os clientes, dar formação, congressos nacionais e internacionais, aprender mais e mais. “A nossa área obriga-nos a estar sempre atualizados. A partilha de conhecimentos e a evolução são muito importantes, toda a vida aprendi, toda a vida hei de aprender.” Oleg, 41 anos, é exigente. “É para trabalhar é para trabalhar.” É um ramo de extrema responsabilidade, da saúde, não pode haver desleixo. Quando seleciona funcionários, Oleg privilegia a honestidade, os conhecimentos, a experiência profissional. Gosta de Portugal, não elege nada em específico, fala numa conjugação de tudo, clima, comida, segurança. Casou-se com uma ucraniana, tem dois filhos pequenos.

Portugal tem sido um país apetecível para os ucranianos, embora o número de residentes com estatuto legal tenha diminuído ao longo dos anos. Segundo os dados mais recentes, do Instituto Nacional de Estatística, em 2020, viviam 28 621 ucranianos no nosso país, a seguir aos brasileiros, ingleses, romenos, que lideram essa lista. Em 2019, eram 29 706 ucranianos, em 2017 contabilizaram-se 32 420, em 2013 eram mais, 41 074, e em 2010 mais de 50 mil, mais concretamente 52 253.

43599334 BINARY GI03052022PEDROGRANADEIRO 003 copiar 768x512
Oleg tem dez funcionários numa área bastante especializada. Nunca desistiu de exercer a sua arte em Portugal
(Foto: Pedro Granadeiro/Global Imagens)

 

Por cá, Mykola gosta de tudo. São 22 anos de Portugal, sem ponta de arrependimento. “Adoro o clima, gosto da comida, não há coisa de que não goste. Conheço Portugal quando Portugal ainda era português, quando tudo era mais português.” Visitou o país de norte a sul.

Iryna apaixonou-se por Portugal naturalmente, um amor simples e genuíno pelas pessoas, pelo clima, tudo por arrasto. “Portugal é um pequeno país com um grande coração”, diz. Não poupa nos elogios, são elogios atrás de elogios. “Gosto muito do povo português, nunca me senti estrangeira, fui sempre bem recebida nos vários trabalhos que tive.”

A guerra, as notícias, as saudades
Iryna acorda todos os dias com o despertador programado para as 4.45 horas. De imediato, agarra-se ao telemóvel para ver as notícias do seu país. “Se não aconteceu nada durante a noite, se foi bombardeada alguma cidade.” É natural do centro da Ucrânia, de Kmenytsky, a 300 quilómetros de Kiev. Os seus pais estão cá, em Portugal, vieram ver a família, tinham regresso marcado para 26 de fevereiro, já não voltaram. “Estão connosco, estou mais tranquila, o meu irmão está lá e estou muito preocupada”, confidencia. O desejo é que a guerra acabe depressa, rapidamente. Os clientes habituais, que sabem das suas origens, vão perguntando se está tudo bem, tentam confortar com palavras possíveis de apoio. Porque não está tudo bem e eles sabem disso.

Oleg usa uma pulseira que são duas fitas com as cores da bandeira do seu país, uma amarela, outra azul. Emociona-se várias vezes quando fala do que está a acontecer. Os pais estão em Lviv, não querem deixar a cidade, os dois primos com quem cresceu e brincou na infância, quase irmãos, estão na linha da frente da guerra. Há poucas semanas, fez-se à estrada até à fronteira com a Polónia para lhes levar medicamentos e material hospitalar, de primeiros socorros, que os primos tinham pedido. Oleg volta a emocionar-se, recua ao passado, lembra-se de a avó ter sido mandada para a Sibéria, da família ter ficado sem nada. “Quando é que a guerra vai acabar? É difícil dizer. Nós vamos até ao fim, disso tenho a certeza. Estamos todos unidos e estamos a lutar pela liberdade, pela vitória. Já sofremos muitos anos. Queremos manter a nossa nação.” Promete ajudar em tudo o que puder.

A madrugada de 24 de fevereiro foi dura. Mykola falou com a mãe, disse-lhe para ter uma mala preparada, a irmã já cá estava. “Toda a gente ficou bastante preocupada nas primeiras horas, no primeiro dia, no primeiro mês.” É uma preocupação que não passa. “A guerra ainda não desapareceu dos televisores.” Mykola foi buscar a mãe à Polónia, diz que a Rússia como país não existe, que não há alma, a propaganda russa é forte, teme que a guerra nunca acabe. “É uma ditadura total, é um imperialismo louco. Aquela gente tem conflito com toda a gente. É uma espargata muito esticada. Dinheiro já não há e não há armamento. Temos um preço grande a pagar pela liberdade, não só nós, mas toda a Europa.”

Mykola olha para a sua gente. “O que é de valor é o povo, que é valente, que merece uma vida melhor e pertencer ao Mundo democrático e civilizado.” Quando tinha seis anos, a bisavó dizia-lhe que quando as casas começassem a cair como cogumelos seria o fim do Mundo. “Acho que o Mundo vai ficar melhor, mas este mal tem de ir embora.” Mykola nasceu numa aldeia a 60 quilómetros de Khyriv, cidade para onde foi viver com três anos, perto da Polónia, a 14 quilómetros da fronteira.

No dia 24 de fevereiro, às três da manhã, Oksana recebeu uma chamada de uma amiga que chorava e dizia que a guerra tinha começado. Pela primeira vez, sentiu um medo indescritível e começou a ligar para a família e para os amigos, mas ninguém atendia, ninguém retribuía. O nó na garganta durou até à hora de almoço, quando as chamadas tiveram resposta. “Desde aí não parei, faço tudo e mais alguma coisa, é assim que consigo acordar, andar, pensar.” Oksana não é católica, não é ortodoxa, não é muçulmana. “Não acredito na religião, mas acredito na lei do retorno.” Ajudar cá, os seus e os outros, para que os seus, família e amigos, sejam ajudados a milhares de quilómetros de distância. No último Dia da Mãe, enviou seis quilos de fruta à mãe, teve de lhe telefonar para ela abrir a porta a quem ia entregar a prenda. A mãe pede paz, a mãe pede silêncio, a mãe pede uma vida normal.

 

43714371 BINARY GL17052022MARIAJOAOGALA006 copiar 768x512
Com a guerra, Oksana fundou uma associação para ajudar ucranianos e gente necessitada. Não tem mãos a medir
(Foto: Maria João Gala/Global Imagens)

O irmão de Oksana tinha uma empresa de construção civil em Portugal, a guerra começou, os quatro trabalhadores ucranianos pediram para voltar, para combater pela Ucrânia, e partiram. Resolver a guerra? “Tudo depende do resto do Mundo, não está só dependente da Ucrânia.” Oksana espera que o Mundo acorde e que faça o que tem de ser feito e que, em seu entender, é enviar para a Rússia todos os que têm nacionalidade russa e que, por alguma razão, saíram do seu país. Mudar por dentro. “Eles sabem como é viver na Rússia, só eles serão capazes de parar esta guerra.” Oksana olha para a guerra como uma infeção que se espalha. “É duro e é mau.”

A partir das seis da manhã de cá, Oksana liga-se ao telemóvel, vê quem está online na Ucrânia, vai ligando, quem não está online causa-lhe logo preocupação. “Não consigo chegar a um ponto em que sinto que isto é real”, desabafa. Nos últimos 300 anos, conta 22 guerras com os russos e agora percebe quando as gerações mais velhas desejavam paz para a vida dos mais jovens. Agora entende. Oksana tem dupla nacionalidade, mas dispensa rótulos. “Mais do que tudo sou humana, não preciso de dizer que sou portuguesa ou ucraniana.”

Mykola e Iryna seguem atentamente todos os passos, todos os desenvolvimentos do seu país. Quando a guerra acabar, a associação de Oksana manter-se-á. Oleg não disfarça a emoção nem a saudade. “Lviv é uma cidade muito bonita e tenho muitas saudades.” Lviv é mais uma cidade que resiste dia após dia num país em guerra.

por SARA DIAS OLIVEIRA

MagazineMagazine

Статистика
Перегляди статей
12894948
Лічильник

Українська рейтингова система