Carta Aberta ao Embaixador da Polónia em Portugal

Друк
Створено: 17 серпня 2018 Дата публікації Перегляди: 2661

19Excelentíssimo Embaixador da Polónia em Portugal,
Sua Exa. Sr. Jacek Junosza Kisielewski

No momento em que decorre uma guerra híbrida do império russo contra o mundo democrático e civilizado, cuja fronteira neste momento é defendida pela Ucrânia, nós as Nações que recentemente saíram do “império do mal”, como mencionou Nossa Senhora de Fátima numa das suas aparições em 1917, na véspera do golpe bolchevique na Rússia. Devemos, como nunca unirmo-nos em defesa da nossa escolha civilizacional, protegendo os valores europeus comuns e protegendo as vidas das pessoas.

Na longa história europeia, muitos países vizinhos tiveram relacionamentos complexos. Esta é a natureza humana. Mas uma Europa unida mostrou que as perspectivas do espaço económico e político comum oferecem a possibilidade do desenvolvimento harmonioso para todos os participantes.

O mesmo é procurado pela Ucrânia, que pagou com centena de vidas e com o esforço de milhões de participantes, uma escolha europeia defendida na praça Maydan, em Kyiv.

Os valores pelos quais lutam os ucranianos são os valores da coexistência pacífica numa família europeia unida que acima de tudo, significa igualdade e respeito.

Nós não conseguimos mudar os difíceis momentos históricos do nosso passado comum mas podemos através de um diálogo aberto e usando as evidências históricas imparciais chegar a um entendimento. Não para humilhação ou perseguição, mas para reconciliação e para um futuro pacífico.

A Ucrânia precisa hoje mais do que nunca do apoio fraternal da Polónia contra o inimigo comum, que no caso da queda em seguida ameaçará a Polónia. Este inimigo que possui um dos maiores arsenais nucleares não está interessado em nenhuma paz mundial.

Por isso, como parte da Diáspora ucraniana global, como comunidade ucraniana em Portugal, pedimos ao Governo da Polónia e à classe política polaca para não perseguir os ucranianos que na Polónia honram o seu passado histórico através de memórias sagradas que é um dever de todo o cristão.

Exortamos o Governo polaco a cessar imediatamente quaisquer procedimentos criminais contra o líder da comunidade ucraniana de Lublin – Grzegorz Kuprianowicz por causa da sua homenagem pública aos nossos antepassados mortos.

Não destruiremos aquilo, que graças aos enormes esforços alcançou o recentemente beatificado Papa João Paulo II, a quem pela paz e pela libertação do mal oram os polacos, ucranianos e outros povos de todo o mundo.

Com os melhores cumprimentos,
o chefe da Associação dos Ucranianos em Portugal,
Pavlo Sadokha

18

19