Estónia: massacre comunista de Pirita – Kose

Друк
Категорія: Європа
Створено: 15 липня 2012 Дата публікації Перегляди: 6158

A ocupação soviética da Estónia deixou várias marcas sangrentas no tecido social do país. Uma delas é o massacre de Pirita-Kose, localidade onde funcionava o Tribunal de Guerra do Distrito Báltico do NKVD. Entre as suas vítimas estavam civis, políticos, funcionários públicos, veteranos da guerra de Independência. Todos eles foram perseguidos ao abrigo do Código Criminal da República Federativa Socialista Soviética da Rússia, de 1926, que interpretava como “atividades contrarrevolucionárias” as tarefas dos funcionários públicos no estabelecimento e na proteção do seu próprio país.

O edifício usado pelo NKVD em Pirita-Kose pertencia anteriormente ao banqueiro Klaus Scheel e foi nacionalizado, juntamente com todo o seu património, em 1940. Em 1941, aqui decorreram as seções secretas do Tribunal Militar do NKVD. Após receberem a sentença da morte, as vítimas eram executadas no mesmo local e enterrados na cave do edifício ou no jardim. Os familiares das vítimas não recebiam as informações sobre o local da detenção dos seus parentes, nem do local da sua morte.

As atividades do tribunal do NKVD e o destino dos detidos eram desconhecidos até outubro de 1941, quando uma vala comum com 9 corpos foi descoberta sob o chão no armazém de coches. As mãos dos executados estavam amarradas atrás das costas com uma corda. Em novembro do mesmo ano outra vala comum com 15 corpos foi descoberta no jardim. As suas mãos também estavam amarradas atrás das costas, as bocas tapadas e cobertas por ligaduras amarradas nas nucas. Também em novembro, em um dos edifícios da propriedade foram descobertos mais 16 corpos, cujo estado avançado de decomposição dificultou a sua identificação. Dos 40 corpos achados em 1941, apenas 11 foram identificados, entre eles o do tenente-coronel Oskar Luiga, oficial do exército, que na guerra de independência era comandante de um comboio blindado.

Em maio de 1942, sob o chão cimentado de um dos edifícios da propriedade, foram descobertos 38 corpos das pessoas, que foram executados em abril de 1941, 23 deles foram identificados. No total, em 1941-42, 78 pessoas executadas foram descobertas na propriedade, 34 foram identificadas. A identificação também foi dificultada pelo facto, do que muitos dos parentes dos executados, foram deportados da Estónia e não podiam participar na identificação dos corpos.

Durante o novo período da ocupação soviética de 1944 – 1991, o território da propriedade em Pirita-Kose pertenceu ao exército soviético e todos os dados de arquivo, relativos aos executados permaneciam secretos. A procuradoria da Estónia Soviética não investigou o massacre até a década de 1990. Em 1989 o jornalista Mart Laar publicou no diário “Pilk” o artigo chamado “Massacre em Tallinn-Kose em 1941”. O facto forçou o KGB da Estónia admitir em janeiro de 1990, pela primeira vez, que os massacres tiveram o lugar, que o Tribunal Militar do NKVD e a cadeia de investigação funcionaram na propriedade.

Com ajuda das testemunhas, os nomes da 31 vítima das 38 descobertas foram identificados. Arquivos ajudaram a determinar que eles foram executados em três dias separados, 5, 23 e 24 de abril de 1941. Entre eles os oficiais da polícia da Estónia:

Helmut Veem, Aleksander Läve, Hans Pipar, Heinrich Siirma, Paul Malsvell, Eno Tamar, Hans Koitorg, Julius Palm, Paul Savilind, Märt Maavere, Hugo Pobul e Aleksander Lillimägi.

De acordo com NKVD, o seu principal “crime” foi a detenção do Viktor Kingissepp e Jaan Kreuks – dois líderes da clandestinidade comunista que preparavam o golpe de estado, organizado pelo GRU e derrotado em 1924. Entre os executados pelo NKVD estavam vários agentes dos serviços secretos da Estónia e ex-membro do CC do Partido Comunista, Johannes Linkhorst (Nõmmik), cujo testemunho ajudou a derrotar a junta comunista.

Em maio – junho de 1941 na propriedade foram executados os oficiais do serviço secreto da Estónia, Vello Juurvee, Rudolf Ramla, Andres Puri, Albert Huik e Henn Puusepp. O assistente político da polícia de Narva, Vello Juurvee, oficialmente “estava desaparecido” desde 18 de novembro de 1940, o seu corpo foi encontrado em novembro de 1941. O tribunal continuou a funcionar e os massacres persistiam mesmo após o início da guerra entre Alemanha nazi e a URSS.

O destino exato de muitos oficiais e funcionários dos Serviços Secretos da Estónia é desconhecido até hoje. É bem provável que muitos deles foram executados pelo NKVD em 1941 em Pirita-Kose e sepultados nos locais secretos. Até hoje se desconhecem onde foram sepultados os ex-chefes do Estado, Jaan Tõnisson e Friedrich Akel. Possivelmente, eles também foram executados naquela propriedade.

Os corpos descobertos em Pirita-Kose foram sepultados no cemitério Liiv em Tallinn. Hoje, o cemitério abriga o memorial das vítimas do Terror Vermelho. O assassinato coletivo de Pirita-Kose foi o massacre comunista mais sangrento na história da Estónia. Como tal, deve ser preservado na nossa memória coletiva.

Fonte:

Relatório Anual dos Serviços Secretos da Estónia de 2011

http://pt.scribd.com/doc/protected/98888442


{module mod_knopka_comments}